sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Banho de Lua




Aquele céu mais parecia um grafite.
Pra vocês entenderem melhor, era uma malha de estrelas que parecia os respingos de uma tinta branca num teto azul escuro.
Noite sem lua, meus queridos. Fucei em cada canto daquele céu e nada.
Fascinante.
Não gosto da palavra e achei que nunca fosse adjetivar coisas com ela. Mas o "nunca" é imbecil e naquele momento não me ocorria nenhuma outra definição.
Não sei se pela falta da bola iluminada, de repente a lua tinha explodido e se transformado naquelas milhões de estrelas.
Não sei se pelo lugar, pela companhia, mas tava lindo de viver aquilo.

E eu sem nenhuma câmera digna.

Fechei então, os polegares e indicadores formando um quadradinho com as mãos e fotografei aquela tela pra mim. Guardei no coração pra acreditar no que vi, porque parecia mentira e enjoava de tão lindo.
Descobri, então, naquela hora, que já tinha vivido um amontoado de coisas diferentes e legais na vida, mas aquele céu...
E como qualquer coisa inexplicável que se preze,  pipocou na mente um monte de possíveis explicações.

Aí que concluí, meio torta, que a beleza toda talvez estivesse no fato de ser um céu naquela altura da vida da gente em que não se  faz mais pedido pra estrela cadente, mas também não se abaixa a cabeça acreditando que a qualquer hora ela vai passar rasgando o céu.

Vai ver que era um céu de gente grande.

Visto com olho viciado, sem foco e cheio de certezas esfarrapadas, mas olhos que finalmente souberam enxergar no escuro aqueles milhares de pequenos brilhos.

Aquele era o céu que eu construí pra mim, e só era lindo daquele tanto, porque eu tinha aprendido que as coisas são tão mais lindas quando se olha pra frente, pra cima.

Eu lembro do meu pai falando pra eu olhar pra baixo quando eu tinha uns 6 anos, que era pr'eu não tropeçar em nada. Eu fiz isso até o dia em que minha altura alcançou a maldita lixeira da vizinha. E é bem isso mesmo, olhar pra baixo dói a coluna e a gente dá com a cara no muro da vida.

Pra trás, bom, o que ficou pra trás cansou de repousar meu olhar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário